Agora
Agora
Agora
Agora
Agora
Agora
Agora
Menu

Quem vai vencer o título da 10ª temporada?

Rhiannan Iffland, Lysanne Richard and Adriana Jimenez
Está tudo em aberto na final em Polignano a Mare, onde três homens e três mulheres vão tentar alcançar a glória

A entusiasmante temporada de 2018 do Red Bull Cliff Diving World Series chega ao fim este fim de semana em Polignano a Mare, Itália, que será o palco das lutas de título mais renhidas de sempre. A 10ª temporada foi um marco no desporto e teve competição que lhe fez jus, com três homens e três mulheres ainda em busca de conquistar o cobiçado troféu King Kahekili na batalha final.

Os atuais líderes, Gary Hunt e Adriana Jimenez, roubaram as posições aos seus rivais Steven LoBue e Rhiannan Iffland com uma vitória na penúltima etapa, em Mostar, que os deixou com 20 pontos de vantagem para o segundo classificado. Jonathan Paredes e Lysanne Richard encontram-se em terceiro lugar, mas ainda têm possibilidades e esperança de conseguir conquistar o troféu na derradeira etapa. Quem vai conseguir dominar as águas do Adriático e ser coroado campeão frente a milhares de fãs apaixonados este fim de semana?

Lysanne Richard

A canadiana de 37 anos atravessou um pesadelo de 12 meses em 2017 após ter sofrido uma lesão que a afastou durante toda a temporada, mas foi capaz de recuperar em grande este ano. Richard começou a época com um quinto lugar no Texas, melhorou nos Açores e conseguiu o primeiro pódio do ano e surpreendeu com uma vitória em Sisikon, na Suíça. Lysanne falhou o pódio na última etapa por quatro pontos e ficou com o caminho rumo ao título bastante complicado, tendo de vencer em Itália e esperar que Jimenez e Iffland terminem no fundo da tabela. No entanto, a mãe de três sente-se feliz apenas pelo facto de estar de volta à plataforma.

"Esperava estar na luta pelo título? Sim, porque aponto sempre ao topo, mas estou feliz por ter conseguido fazer toda a temporada e por o meu corpo ainda se sentir bem", disse Richard. "Esse era o principal objetivo na temporada. Polignano é o local onde conquistei a minha primeira vitória no Circuito Mundial. Tenho boas memórias e bons feelings deste lugar e é fantástico estar na luta pelo título."


Lysanne Richard atravessou um ano complicado antes da vitória em Sisikon. Foto: Romina Amato/Red Bull Content Pool.

Rhiannan Iffland 

A bicampeã começou a temporada com o estatuto de favorita à conquista do hat-trick de títulos e do estatuto de mulher mais condecorada da história do desporto. Contudo, com apenas uma vitória em quatro etapas, Iffland terá de lutar muito na final para conseguir ser campeã. Pela primeira vez na sua carreira, a australiana ficou dois eventos seguidos sem vencer. Conseguiu, apesar disso, um segundo lugar em cada uma dessas etapas, o que significa que ainda tem o que é preciso para ganhar. Uma repetição da vitória do ano passado em Polignano a Mare faria com que a atleta de 27 anos levantasse o troféu King Kahekili pelo terceiro ano consecutivo.

"Estou aqui em Polignano este fim de semana para... Não quero dizer redimir-me, mas sim para terminar a temporada de 2018 em força", afirmou Iffland. "Vou mudar a ordem dos meus saltos este fim de semana porque sinto que preciso de mais poder num dos meus saltos do que em outros, pelo que decidi mudar para ter mais energia no primeiro dia. Tenho o salto mais fácil no final, para que sinta menos pressão e stress."

Adriana Jimenez

A mexicana está a atravessar a melhor temporada da sua carreira, tendo vencido duas etapas e conseguido um segundo lugar, marcas que fazem dela o epítome de consistência. Jimenez está na sua quinta temporada no Circuito Mundial e parece estar a ficar cada vez melhor com a idade. A atleta de 33 anos venceu pela primeira vez na temporada passada, mas viu a rival Iffland conquistar o segundo título consecutivo. Jimenez sabia que precisava de subir o nível em 2018 e fê-lo, tendo mesmo conseguido somar a pontuação mais alta de sempre da competição feminina, em Mostar. Agora, a mexicana encontra-se 20 pontos à frente na liderança, pelo que pode conquistar o seu primeiro título com uma vitória em Itália.


Adriana Jimenez está no topo da classificação feminina. Será que a mexicana se vai conseguir manter no topo e sagrar campeã? Foto: Dean Treml/Red Bull Content Pool.

"Vencer o título significaria que teria conquistado um objetivo, seria um sonho realizado. Pôr as cores do meu país no topo do mundo dos saltos de grande altura é um dos sonhos que adorava concretizar.", disse Jimenez. "Tento não pensar muito sobre ser a líder. Não quero pressionar-me demasiado. Só quero fazer mais uma boa competição, pensar salto a salto."

Jonathan Paredes

Tem sido uma temporada algo tremida para o atual campeão, cujos três pódios contrastam com um 10ª e um 6ª lugar. Não se pode dizer, no entanto, que o mexicano andou para trás esta época. Aliás, os pontos que lhe deram os três pódios esta época teriam sido suficientes para conquistar vitórias no ano passado. O problema é que, quando Paredes conseguiu encontrar a sua forma em 2018, também encontrou uns incríveis Hunt e LoBue, que têm estado a esmagar recordes a torto e a direito. Paredes precisa de vencer em Itália e esperar que os seus adversários falhem em grande. Parece difícil, mas basta olhar para a final do ano passado para perceber que tudo pode acontecer.

"Honestamente, estou muito calmo", diz Paredes. "Nesta altura sinto que não tenho nada a perder e tenho muito a ganhar. Tem sido um ano duro para mim, comecei com um resultado muito mau no Texas. Isso tem sido um grande peso nas minhas costas desde então. Estou a tentar desfrutar da competição como no ano passado, no Chile. Sei que não vai ser a mesma coisa."

Steven LoBue

Uma primeira vitória desde 2015, uma segunda vitória consecutiva, dois 10, um recorde de pontuação por um só salto... Tem sido uma temporada monumental para o americano de 33 anos. Não fosse a remontada de um certo rival, o 'spinmaster' já teria o título mais do que conquistado por esta alutra. Ainda assim, estar em segundo lugar e a 20 pontos da liderança a uma etapa do fim é algo que poucos acreditariam que o 7º classificado de 2017 conseguisse fazer. Esta já é a temporada mais bem sucedida da carreira de LoBue, que, se conseguir tirar mais uma vitória da cartola, dará um troféu King Kahekili aos Estados Unidos da América pela primeira vez.


O vencedor ganha tudo. Se Steven LoBue conseguir conquistar a sua terceira vitória da temporada tornar-se-á o novo campeão do Circuito Mundial. Foto: Dean Treml/Red Bull Content Pool.

Gary Hunt

Corria a notícia de que o grande e poderoso Gary Hunt estava acabado. Depois de ter falhado o último salto no Chile no ano passado, perdendo assim o título, o britânico perdeu a fé nos seus saltos de torção e abriu a temporada com um 8º e um 10º lugar no Texas e em Bilbau. Dizia-se que Hunt já não tinha o que era preciso, mas o britânico deu um ar da sua graça (e das suas piruetas) ao conseguir o primeiro pódio da temporada nos Açores. A partir daí, algo se reacendeu dentro do multi-campeão, que conquistou três vitórias de seguida no Circuito Mundial. O regresso à forma mágico permitiu ao britânico saltar para a liderança, a 20 pontos do segundo classificado, o que significa que Hunt só precisa de vencer ou ficar acima de LoBue e Paredes para conquistar o seu sétimo título.


Piruetas rumo ao topo. Gary Hunt têm os ases todos na mão antes da batalha de Itália. Foto: Romina Amato/Red Bull Content Pool.

Se tivermos em consideração as suas palavras após a vitória em Mostar, podemos dizer que o britânico está confiante de que pode levantar o troféu King Kahekili mais uma vez. "Adoro quebrar estatísticas. O ano passado disseram-me que nunca ganhei numa ponte, este ano disseram-me que nunca ninguém venceu duas vezes em Stari Most. A terceira é que quem ganha em Mostar nunca venceu o título. Essa vai ser quebrada em Polignano."

Aconteça o que acontecer, o climax da décima temporada do Red Bull Cliff Diving promete ser o mais entusiasmante e inesquecível dos últimos tempos.

Vê Polignano a Mare em direto

Este evento vai ser transmitido em direto no dia 23 de setembro, às 12h10 (hora de Portugal Continental), em www.redbullcliffdiving.com, Red Bull TV, Facebook e Youtube. A Red Bull TV está disponível em smart TVs, consolas, dispositivos móveis e noutras plataformas. Sabe mais em about.redbull.tv